Desenvolvido por Miss Lily Comunicação
Quem Somos Assine Já Fale Conosco FAQ Meus Dados Fazer Login
Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Delicious Blogger WordPress Enviar por e-mail
  Home

 
Biografia de Juscelino Kubitschek
 

Biografia de Juscelino Kubitschek 

Presidente do Brasil (1956-1961)

assinatura - Juscelino Kubitschek

Presidente do Brasil (1956-1961), Kubitschek foi um dos mais importantes políticos brasileiros. Juscelino inaugurou um estilo de atuação inteiramente novo e caracterizou-se por construir em torno de si uma aura de simpatia e confiança.

Biografia de Juscelino Kubitschek: sua vida

Juscelino Kubitschek de Oliveira nasceu em 12 setembro de 1902 em Diamantina, Minas Gerais. Era filho de um caixeiro-viajante e de uma professora primária, Júlia Kubitschek. Com apenas três anos de idade, Juscelino ficou órfão de pai e foi criado por sua mãe. Espírito inquieto e sonhador, seus  primeiros anos de vida foram marcados de um lado por uma infância profundamente pobre e de outro pelos signos da modernidade e pelo desejo de progresso que via em sua volta. Em 1920, após completar seus estudos no Seminário Diocesano, Juscelino foi para Belo Horizonte, onde se empregou como telegrafista. Em 1922 ingressa na Faculdade de Medicina de Minas Gerais, de onde se forma em 1927. Em 1930, parte para a Europa, especializa-se em urologia na França, e faz um estágio em Berlim.

De volta ao Brasil, em 1931, ingressa na Polícia Militar de Minas Gerais, onde alcança o posto de Coronel Médico e faz amizade com o político e futuro governador Benedito Valadares. No mesmo ano casa-se com D. Sarah Luiza Gomes de Lemos. Participa da Revolução Constitucionalista de 1932 em defesa do governo constituído, como Capitão Médico da Força Pública. Sua vida sofre uma grande mudança em 1933 quando Valadares é nomeado interventor federal em Minas Gerais e nomeia o amigo como seu chefe de gabinete. Inteligente e culto, Juscelino inicia sua vida política na Chefia de Gabinete do Governador Benedito Valadares.

No ano de 1934 Juscelino é eleito deputado federal, exercendo o mandato até o fechamento do Congresso Nacional em virtude do golpe do Estado Novo. Com a perda do mandato, Juscelino retorna à medicina, mas não por muito tempo. É nomeado prefeito de Belo Horizonte (1940-1945)  pelo governador Benedito Valadares e realiza obras de remodelação da capital . Em 1946, é eleito deputado constituinte pelo Partido Social Democrático (PSD) e, em 1950,  governador de Minas Gerais. Durante seu governo, implantou um sistema de metas, com objetivos a serem alcançados através do slogan "Energia e Transporte".

Durante seu mandato, JK se afirma como um grande administrador e um político sagaz . O êxito de sua administração repercute em todos os recantos do País. JK percebe, então, que havia chegado o momento de lançar-se candidato à Presidência da República, com o apoio do Partido Social Democrático (PSD) e do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB). No dia 4 de abril de 1955, JK dá inicio à sua campanha presidencial pela coligação PSD-PTB, em Jataí, Goiás, onde promete construir Brasília. Como candidato, apresenta um discurso desenvolvimentista, cujo lema era "cinquenta anos em cinco" e um audacioso "Programa de Metas", cumprido integralmente.

JK foi eleito com 36% dos votos. A oposição derrotada tentou  impedir sua posse com a alegação que não havia sido obtida a maioria absoluta (50% mais um). No entanto, o general Henrique Teixeira Lott garante a posse de JK e de seu vice, João Goulart.

Biografia de Juscelino Kubitschek: Presidente da República

JK assume a Presidência da República em 31 de janeiro de 1956. Sua administração foi marcada por um cunho modernizador e desenvolvimentista. Seu governo inaugura uma era pós-Getúlio Vargas, conseguindo criar uma imagem positiva de mudança, com o surgimento de músicas e modas de bossa-nova.

A partir de 1956, JK implantou seu novo programa de metas, apoiado pelo slogan "Cinquenta anos em cinco". O Plano Nacional de Desenvolvimento, conhecido como "Plano de Metas", abrangia vários setores, tais como energia, transporte, alimentação, educação, implantação de indústria automobilística, além de outros incentivos à industrialização. O Plano estimulou o crescimento e a diversificação da economia.

O governo passou a investir na indústria de base, na agricultura, nos transportes e no fornecimento de energia. Com seu lema "50 anos em 5" instalou, através do planejamento dirigido estatal, empresas nas áreas automobilísticas, eletrodomésticas e siderúrgicas. No campo da infraestrutura, JK concretizou as hidrelétricas de Furnas e Três Marias. Como resultado, a produção industrial aumentou em 80% e no final do seu mandato como Presidente, o Brasil apresentava pela primeira vez um PIB industrial maior do que o PIB agrícola. Em seu período presidencial, o País todo conheceu um grande desenvolvimento econômico, marcado pela estabilidade política.


Vista aérea de Brasília

JK era sonhador e realizador. Ousava fazer e sabia fazer. Executou o antigo projeto de mudança da capital  e conseguiu que, em apenas 42 meses, fosse construída Brasília - a nova capital do Brasil. Inaugurada em 21 de abril de 1960,  Brasília é considerada hoje uma das mais relevantes obras da arquitetura e do urbanismo contemporâneos. No âmbito internacional, JK criou a Operação Pan-americana, cuja  meta era o combate ao subdesenvolvimento da América Latina.

Outros importantes empreendimentos realizados durante o governo de JK foram as construções das rodovias Belém-Brasília e Brasília-Acre, rompendo o isolamento histórico do Centro-Oeste e do Norte do País. Foi criada a Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene) e houve expansão da indústria naval.     

Todas essas iniciativas aumentaram consideravelmente a prosperidade econômica do País. No entanto, deixaram um legado de inflação e dívida pública.

JK chegou ao fim do governo consagrado pelo povo. Sucedido, em 1961, por Jânio Quadros, JK foi eleito senador pelo estado de Goiás. No entanto, ao eclodir o Movimento Militar de 1964 que derrubou o governo, JK teve seus direitos políticos cassados em junho desse mesmo ano, e partiu para o exílio no dia 14 de junho de 1964. Viveu em Nova Iorque e Paris até  regressar ao Brasil em 1967, onde se voltou para a iniciativa privada e para a vida literária. Publicou: Meu Caminho para Brasília, livro de memórias em cinco volumes. Membro da Academia Mineira de Letras, ele foi candidato à Academia Brasileira de Letras, mas foi derrotado pelo escritor Bernardo Ellis.

Faleceu  em 1976, em um trágico acidente automobilístico na via Dutra, perto da cidade de Resende, no estado do Rio de Janeiro.

 


Ver Próximo Artigo: Biografia de Martin Luther King
 
Ver Artigo Anterior: Biografia de Charlie Chaplin
 
Apostilas


 

Aulas de Inglês
5 novas aulas
Aulas de Interpretação de Textos